quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Publiquei sem título sem querer, por isso fica sem título

"Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti" é uma máxima que várias religiões e filosofias adoptam, às vezes por diferentes palavras. Dito de forma positiva, devemos tratar os outros como gostaríamos de ser tratados. Segundo o Budismo "não atormentes o próximo com o que te aflige".

Apesar de ser um princípio ético conhecido, se fosse mais utilizado tenho a certeza de que o mundo não estaria como está. Eu acho que o problema está na versão cristã do princípio. "Portanto, tudo que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles" terá dito Jesus, em Mateus 7:12. Dá mais azo a ser deturpado.

Acho que falta mais no mundo quem não faz o que não gostaria que lhe fizessem do que quem faz aquilo de que gosta independentemente dos outros. Eu chamo-lhe falta de empatia. Faz muita falta.

Se toda a gente pusesse o princípio em prática, só sobravam os masoquistas.

Vanessa

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Transcription Memes I | Only those who work in transcription will understand the struggles are real


Vanessa

Os 7 tipos de pessoas que conheço

1. Os amigos. Pessoas com quem estamos quando as circunstâncias o permitem, mas cujas conversas atravessam o tempo e o espaço. Quando estamos juntos o tempo que passou desde a última vez não interessa. Relatamos eventos, espaços e pessoas que conhecemos nos entretantos. Divertimo-nos e somos felizes.

2. Os amigos de segundo grau. Amigos dos amigos com quem passamos bons tempos. Mais aqui.

3. Os conhecidos próximos. Podem ser antigos colegas, amigos de segundo grau ou pessoas que já foram amigas. Normalmente são poucos os laços que nos unem. Invariavelmente perdeu-se a ligação. Habitualmente são aquelas pessoas que se lembram de nós para pedir coisas. Às vezes somos nós que pedimos.

4. Os conhecidos. Vizinhos, transeuntes com quem nos cruzamos e funcionários. São rostos familiares.

5. Os familiares. Aqueles que fazem parte de nós mesmo que não gostemos. São a nossa herança. Pessoas que se vêem em épocas festivas. Entes queridos e às vezes não tão queridos. Pessoas de quem temos parentesco.

6. Aqueles que evitamos. Podem ser tudo acima, menos amigos. O nome diz tudo.

7. Estranhos. Pessoas que não conhecemos nem nunca vimos, mas com potencial para serem tudo e mais alguma coisa se o contexto permitir. Podemos trocar dois dedos de conversa, para depois voltarmos a ser estranhos. Podemos trocar olhares de concordância, mas ficamos por aí. Pessoas a quem o acaso uniu brevemente.

Nota: não falo de amores, caras-metades, laços matrimoniais, "é complicado" ou demais. Essa é uma categoria demasiado longa. Pode ser a número zero ou a oitava. Pode ter um pouco de todas as categorias ou nenhuma. Logo aí se vê que seria preciso um post inteiro para escrever sobre isso. Dá trabalho.

Vanessa

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Upspeak and vocal fry

There's something happening with speech patterns. First, they are changing in unpleasant ways. Second, they are being more policed than ever. I mean, at least there are names for speech subtleties, so it's easier to talk about occurring patterns. Such as upspeak and vocal fry. In my opinion, they are annoying as hell.

Upspeak is when intonation rises at the end of a sentence, which makes it sound like a question. It's used particularly in what is known valleyspeak, a "sociolect" also often used by those who love the "like" word.

What takes the cake though is vocal fry. You know The Ring or The Grudge? (Not posed as upspeak, but as a legitimate question) That sound that precedes that scary girl showing up? Vocal fry is caused by air bubbles in vocal folds and it is stuff from nightmares. It has a jittery, creaky effect that sounds like it comes from such horror movies. Or like it's coming from a socialite without enough oxygen to form a complete sentence.

I am thankful that this has a name, otherwise I wouldn't be able to shame it here. While there is this study that shows women who use vocal fry may be seen as urban-oriented and upwardly mobile, and this study suggests its use is increasing, anecdotal evidence shows that frying is associated with ditzy people. 

It's been made fun of in newspapers, television and radio shows, and podcasts for a reason, right? Because it's annoying. Yes, Noam Chomsky does it and he's a guy, but he has many more qualities to show for. 

Women, who obviously have less chances to establish a reputation right away and suffer from obsolete instances of inequality like, every day, have to be more concerned about their ideas being listened to, not their speech style. It's seriously unfair, but we women feel it and we have to constantly be extra cautious about appearance to the point of exhaustion. That's why vocal fry is actually detrimental to us women. 

It creates a gendered bubble, an automatic labeling system that places us at a level from where form undermines content. Where those who listen to us may be able to categorize us based on whether they think our speech pattern is urban-oriented and upwardly mobile or ditzy, airheaded and valley-like.

That's why I mentioned speech is being more policed than ever. The same way it's irritating that everything is analyzed these days and certain things are made fun of, it's also irritating that such fads as frying and upspeak turn into a new way of speaking and get picked up so much that they get analyzed in the first place and then associated with personality traits or abilities or genders. It's hard to have to think about these things.

It's hard to pay attention to how we behave and how we might be perceived. I'm only complaining about vocal fry because it's annoying though and it may become a thing. But that's because I obviously have misophonia.

Too long, didn't read version:



Vanessa

Presunção e água benta

Com o mal dos outros posso eu, diz o ditado. Com a opinião dos outros, isso já é outra estória. Eu culpo o Facebook, que nos pergunta em que estamos a pensar. De alguma forma transferimos essa curiosidade alheia que nos incita a produzir conteúdo para o mundo e as opiniões passaram a ser ilusoriamente valiosas.

Nem sempre são. Opiniões não solicitadas são o pão nosso de cada dia. Mas também há aquele ditado que diz que presunção e água benta são em regime self-service, que é como quem diz, cada um toma a que quer. A presunção de se achar que a opinião vale de alguma coisa é da responsabilidade de quem opina.

Vanessa

Equilíbrio

Domingo atrasei-me para a apresentação do último livro de Ricardo Araújo Pereira, A Doença, o Sofrimento e a Morte Entram num Bar, por causa de calhaus. O que se passa comigo e os calhaus deste mundo não sei. Quando cheguei à Fnac, já a sala estava cheia e o Ricardo Araújo Pereira estava mesmo a começar a falar. 

O que achei engraçado foi que depois da dispersão, muitos dos presentes e o próprio Ricardo Araújo Pereira começaram a fazer aquilo que se faz na secção dos livros da Fnac. Ver livros, revirar livros, ler sinopses e primeiros parágrafos e essas coisas literaturescas. Ninguém o abordou, que eu visse, fora da sala.

Há um certo equilíbrio nas pessoas que lêem, como o há nos calhaus que um senhor costuma empilhar na Ribeira das Naus em Lisboa, equilíbrio esse que não vejo nos não leitores. Nota-se na postura, no discurso e nas acções. O que não quer dizer que quem não lê é desequilibrado ou inferior. São diferentes e compõem a maioria das pessoas do mundo, tenho quase a certeza. Por causa disso, o equilíbrio dos leitores é mais notório.

É um equilíbrio diferente, o dos leitores e o dos não leitores. Equilíbrio ou equilibrismo.

Percebi também que o humor me sabe melhor quando é escrito. Fica apurado. Chega a ser mais interactivo. É mais equilibrado, mesmo que fale de aspectos da vida como doença, sofrimento e morte.

Há equilíbrio numa vida desde que haja piada em sítios imprevisíveis. 

Vanessa

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Penne com cogumelos e natas

Cozer massa, neste caso penne (pode ser qualquer tipo de massa). À parte refogar cebola e alho picados (primeiro a cebola, depois o alho quando a cebola estiver translúcida) em manteiga ou azeite, juntar cogumelos de boa qualidade (shiitake neste caso) até ficarem cozinhados a gosto, temperar com sal e pimenta, atirar umas ervas e condimentos a gosto (cebolinho, cominhos e noz-moscada aqui). Juntar natas, deixar reduzir um pouco e acertar o tempero. Um ovo batido não fica aqui mal. Juntar a massa e envolver. Está pronto a servir.

Fica bom com legumes variados, carne ou peixe, enchidos. Em alternativa, cozer a massa, refogar alho e juntar a massa. No final pode-se acrescentar queijo (neste caso mozarela). Simples, mas saboroso.


Vanessa

To my English speaking readers

I see you make up the majority of my audience and I am sorry I have been neglecting you. I do enjoy writing in English, but Portuguese is also a passion of mine and it is my native language. I'm sure probably most of you are only interested in book reviews anyway, because those are the majority of my posts in English.

I miss writing creatively in English, as it helps to practice for my work, continue to be a proficient bilingual and hopefully fight Alzheimer's, though no one is ever sure if studies indicating prevention of certain illnesses with food or any activity are truthful or just a case of cocky correlations when there's only coincidence.

I'm planning on writing more in the near future, which is surely 2017. I'm not talking about writing reviews, but also sharing some thoughts in English as I used to do in those long-gone websites where one was paid for the traffic (like Bubblews and HubPages — not doing that anymore, especial after Bubblews closed). 

There are some things that only sound good in English, if you ask me. 

Vanessa

Atenção à retaguarda

As aparências iludem sempre no que toca à comida. A parte da frente das embalagens é onde o marketing acontece no seu melhor. Todas as declarações da moda estão lá. Sem glúten, sem gorduras, sem açúcares. Até em produtos que naturalmente já não tinham alguns dos elementos da moda, tipo o glúten, as empresas fazem questão de publicitar a lacuna como se o produto fosse agora produzido menos o elemento.

O arroz, o milho, o chocolate, o queijo, o iogurte e tantos outros já não tinham glúten antes do glúten se ter transformado no inimigo número um das dietas, mas agora há sempre um aviso na embalagem.

As declarações de marketing dão ideia de que os restantes ingredientes não fazem também mal. Em cereais e bolachas é comum anunciar-se à frente que são fonte de fibras e vitaminas. 

O que não contam eles é a quantidade de açúcar, gordura e Es que acompanham os benefícios.

Uma pessoa vira a embalagem e dá de caras com uma lista de ingredientes maior do que este texto. Só isso já é sinal de que é melhor voltar a colocar a embalagem na prateleira, quanto muito para poupar tempo. Ninguém o tem para ficar duas horas no supermercado a ler todas as listas de ingredientes, não é?

Se nos primeiros ingredientes aparecer açúcar e tantos dos seus derivados, do xarope de glicose à maltodextrina, ou gordura ou, na verdade, coisas muito complicadas de pronunciar, mais vale ignorar o que é dito à frente.

Nem falo de calorias por porção, que agora até já indicam à frente, mas sempre em doses individuais impossíveis (quem é que come só 30 gramas de cereais, afinal?). O problema é todos os químicos e ingredientes que estão na parte mais pequena da pirâmide alimentar que estão na parte de trás em quantidades pouco saudáveis. Tudo o que vem numa embalagem passou por muitas mãos, foi processado, sofreu mutações, foi retocado.

Essas coisas estão sempre à retaguarda. À frente está o que é bonito.

Vanessa

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Atenção: aqui há muita secura XVI

O polícia de trânsito foi preso por roubo. Já esperava. Tinha ido à casa dele e visto todos os sinais.

Nada tema. Há mais secura aqui.

Vanessa

Eu, Vanessa, tenho misofonia

Não tenho a certeza de quando começou. Mesmo antes de trabalhar em transcrição, certos barulhos já me faziam confusão ao ponto de me desconcentrarem. Especialmente aquilo que chamo de micro barulhos. Tipo quando pessoas não conseguem parar quietas e toca de tamborilar os dedos ou bater com o pé ou usar a boca para fazer barulhinhos, como estalidos com a língua, ou amachucar um invólucro repetidamente.

Tudo isso e muito mais causa-me uma espécie de comichão mental. O problema da comichão mental é que não posso abrir o crânio e tratar do assunto com os dedos. Estão a ver o problema, não é? Já vi documentários em que pessoas com misofonia extrema têm reacções muito violentas e eu não me surpreendo.

Há barulhos que só me fazem confusão, mas há outros que não consigo suportar. Os meus ouvidos estão quase sempre ocupados, quer seja com fones, para trabalhar, ver filmes e séries, e ouvir música, quer seja com tampões de ouvidos para não ter de lidar com ruído alheio quando só me apetece o som do silêncio.

Certos ruídos despertam o ser primitivo que há dentro de mim. Um dos piores é o som de pessoas a mastigar ruidosamente, o que invariavelmente acontece quando comem de boca aberta. Já aconteceu ter de sair de uma sala para não ouvir aquele som de uma pessoa a mastigar uma maçã, especificamente devido ao som da sucção após a trinca, para não desperdiçar o sumo da maçã, e o consequente mastigar ruidoso.

Às vezes no cinema tenho de me esforçar para concentrar-me no filme e não no ruído de pessoas a mastigar pipocas ou no som de mãos a escarafuncharem o pacote interminavelmente enquanto as pipocas tamborilam umas nas outras. Nem me falem de pastilhas elásticas e rebuçados sugados com a matraca escancarada.

Felizmente, parece-me que a minha misofonia, que para quem não sabe é aversão a certos barulhos, é "só" uma mania que de vez em quando interfere com o meu bem-estar, mas não ao ponto de agir de forma violenta.

Há por aí mais alguém com os mesmos sintomas?

Vanessa

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Minha nossa senhora, que pedra filosofal

Digam-me cá o que vêem vocês na fotografia:

Agora noutro ângulo e com zoom:

Eu acho que este pedaço de rocha é um milagre, porque ali está uma daquelas imagens medievais de Nossa Senhora com o menino Jesus, tipo aqueles vitrais ou quadros em que se achava normal desenhar o menino Jesus com feições de homem feito. Mas confesso que vejo mais Nossa Senhora do que o menino. Foi instantâneo. Assim que olhei para o calhau vi Maria. Mais milagre é porque sou assim para o ateia.

Ver imagens de faces, corpos, animais e etc. onde eles não existem na realidade chama-se pareidolia e eu sofro disso. Excepto que as pessoas com quem estava concordaram que de facto parece estar ali uma imagem religiosa, por isso não sou a única. Se fosse uma torrada, eu nem ligava ao assunto, porque disso já existe e foi um sucesso. Aliás, Jesus farta-se de aparecer em tudo quanto é comida, como mostra aqui o Buzzfeed.

Mas isto é inédito, porque claramente, com os meus olhos de pareidolia, esta é uma imagem medieval da Virgem Maria. Minha nossa senhora. Há aqui toda uma simbologia disposta à filosofagem. 

Estamos no terceiro calhau a contar do sol. Estamos na terra onde se come muito ba-calhau e onde há o ditado da água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Há aquele dito bíblico do "quem nunca pecou que atire a primeira pedra". Depois também se diz que pessoas que alucinam estão pedradas. Todo este post é uma pedrada no charco, na verdade. Mas esta é uma verdadeira pedra filosofal, a J. K. Rowling que me desculpe.

Alguém que escreva agora uma coisa coerente com isto tudo.

Vanessa

How to defend yourself against misleading statistics in the news | Sanne Blauw | TEDxMaastricht




Too long, didn't see | Beware of:
1. Good looking graphs;
2. Polluted polls;
3. Overconfident decimal points;
4. The spectacular statistics;
5. Cocky correlations.

Vanessa

Haja o couver

Ode às couves-de-bruxelas. Adoro couves-de-bruxelas. Tenho pena de quem não gosta. Fim.

Vanessa

Contradições

Já me deram a entender que eu sou aquele tipo de pessoa com aquilo a que se chama resting bitch face. Que frequentemente pareço amuada ou aborrecida. Nessas alturas não sou rápida o suficiente para pegar num espelho e ver a expressão que ostento, por isso não tenho ideia de como pareço. O que têm em comum essas ocasiões é o facto de estar pensativa, mas nem sempre o sujeito dessas frases mentais é algo mau.

Em contraste, são aquele tipo de pessoa que atrai todo o género de transeuntes em qualquer lado, sejam os loucos, os idosos com vontade de falar sobre tudo e mais alguma coisa, as pessoas que precisam de informações, mas felizmente não os carteiristas. Alguma coisa não encaixa, a não ser que existam pessoas masoquistas o suficiente para falar com alguém que tem um ar amuado ou aborrecido. Mas que raio de predicado.

Ainda hoje fui ao café e a funcionária, com quem nunca falei, começou a queixar-se da música de natal, que é muito triste por comparação à música típica da quadra no país dela. Eu assenti, que é como quem diz, acenei e esbocei um sorriso que devia ser para o amarelo. Não é que ela continuou? Fiquei a saber, sem ter de perguntar, o país, os gostos musicais da senhora e muito mais do que me apetecia ouvir. Que era nada.

Já fiz amigos e amigas assim, porque tenho uma dessas caras, pelos vistos não muito amigáveis, mas que atraem pessoas. O meu histórico de amizades casuais é extenso. Há a senhora dos gatos do meu bairro (todos os bairros têm a senhora dos gatos lá do sítio, certo?), uma senhora idosa que por tê-la ajudado a ver o preço do arroz até me ofereceu uma caixa de tricô, o senhor que já foi a Goa e que deduziu pela minha cara que sou filha da minha mãe, que ele conhece; há a senhora que por vezes encontro no supermercado e que faz questão de trocar dois dedos de conversa, ainda que eu nem lhe conheça o nome; um homem e uma mulher que em ocasiões separadas já me viram a ler num banco e que por me perguntarem sobre o que estava a ler acham que somos melhores amigos. Nos tempos de faculdade nem se fala da quantidade de conhecidos transeuntes conheci.

Numa das casas onde morei, uma senhora brasileira de profissão duvidosa, que lá morava também, via-me passar no corredor e chamava-me sempre para fazermos tratamentos caseiros de beleza (que bela máscara de clara de ovo fazia ela). Havia a estudante de arquitectura que me levava a várias galerias de arte só porque lhe disse bom dia uma vez. Uma vez um travesti perguntou-me se lhe podia vender o meu cabelo quando o cortasse e travámos amizade a ponto de ele me convidar para ver o seu espectáculo de interpretação de Liza Minnelli e de eu ir. Quando estagiei num jornal nacional e andava de táxi, fiquei com o número pessoal de pelo menos três taxistas. Também fiz amizade com outra senhora dos gatos e uma dos pombos. Por aí fora.

Algo claramente se passa com o complemento circunstancial, porque há aqui elementos que não coincidem de todo. Se tivesse de escolher entre a opção de ter uma resting bitch face e atrair as pessoas, escolhia a primeira. Eu tenho orgulho de ser anti-social, mas pelos vistos sou um falhanço nesse campo. Ai, vida a minha.

Vanessa

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Museus novamente gratuitos aos domingos de manhã em 2017

Entrar os museus e os monumentos eram gratuito no primeiro domingo de cada mês durante o dia inteiro, mas sempre preferi a entrada gratuita todos os domingos de manhã como era antes. 

Felizmente em 2017 vai ser novamente essa a configuração: museus e monumentos com entrada livre, domingo de manhã e também feriados, até às 14 horas, para cidadãos residentes em Portugal.

Tenho pena que os monumentos de Sintra apenas permitam entrada gratuita aos cidadãos do município e que o Museu Berardo no CCB passe a ser pago no próximo ano. Por outro lado, vi alguém no Facebook comentar que estas medidas de pouco servem se não forem inclusivas, já que nem todos os museus têm acessos para deficientes ou um guia disponível para auxiliar invisuais nos dias de entrada gratuita, por exemplo.

Para os de Lisboa, aqui está um link para uma lista de museus e monumentos na capital.

Vanessa

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Recomendações | The B Temple, Chiado, Lisboa

Ali nas caves da Basílica de Nossa Senhora dos Mártires há um restaurante aconchegante chamado The B Temple. A decoração meio rústica, meio industrial é acolhedora, a comida deliciosa e o serviço excelente. 

Há por ali prateleiras com livros e citações inspiradoras espalhadas pelas paredes e mesas, e até na casa-de-banho. Por falar nisso, a casa-de-banho das mulheres está equipada com um simpático kit com pensos higiénicos e tampões (gratuitos) para alguma emergência, o que achei super inovador e simpático. 

Por falar em simpático, o The B Temple é um daqueles restaurantes onde os funcionários são cordiais e perguntam se está tudo bem com o lugar que escolhemos (queixá-mo-nos do calor e foram logo resolver o assunto) e com o pedido, e depois perguntam se estamos a gostar da refeição. Assim se distinguem os restaurantes. Há aqueles que despacham as pessoas e há aqueles onde nos fazem sentir em casa.

Quanto à protagonista, a carne, sempre Black Angus excepto na opção vegetariana, melhor não podia ser. Só se fosse de borla. É deliciosa. Os preços vão dos 6,80 euros aos 9,90 euros e o menu detalha as gramas de carne em cada opção. Há hambúrgueres e pregos em pão de brioche ou bolo do caco. A opção vegetariana é feita de grão de bico. O único senão é o acompanhamento ser à parte. Ainda assim, voltava lá ainda hoje.

Há ainda uma carta só de bebidas e sobremesas, coisas que terei de provar numa próxima. Qualquer coisa, visitem a página de Facebook do The B Temple. Há por ali mais fotos do que estas:


Nas fotos: um hambúrguer vegetariano, batata doce frita e um prego em bolo do caco.

Vanessa

Sexta-feira bem cinzenta

Olho para as promoções da Black Friday e não consigo decidir se sou anti-consumista ou só anormal. Por exemplo, uma loja de cosméticos oferece três produtos na compra de três. Eu não uso seis produtos de maquilhagem no total sequer. Na verdade, não preciso de nada neste momento nesse campo.

Como uso as coisas até elas se desfazerem, não preciso de nenhum aparelho. Um telemóvel dava jeito, mas o meu Android com teclas é-me tão querido há cinco anos que gostava que durasse mais uns cinco ou dez. O meu portátil sobreviveu seis meses na Índia, por isso também deve durar uns anos.

Não vejo televisão, não preciso de um tablet, nem de qualquer tipo de ecrã. Móveis até há demais cá em casa. Livros também, mas seria a única coisa capaz de comprar esta Black Friday, isso sim.

Só mesmo os Americanos para inventarem um dia de compras loucas e consumismo desenfreado logo no rescaldo de uma festividade em que se celebra a gratitude pelo que se tem. 

Eu muitas vezes sou ingrata em relação ao que tenho, mas não é por isso que me vou sujeitar à confusão das compras e às filas intermináveis. Para mim esta é só uma sexta-feira cinzenta e nada mais.

Vanessa

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Catarse em memes X | Especial Cozinha e Gastronomia

Atenção: aqui há muita secura XV

Dormir é o meu dom natural. Até consigo fazê-lo de olhos fechados.

Porque uma piada seca nunca vem só.

Vanessa

Blogues procuram-se

Tenho tido dificuldade em encontrar blogues interessantes para ler, coisa que já foi bastante fácil. No meu antigo blogue ainda lá está uma lista de blogues que gostava de seguir, todos em português e todos de certa forma parecidos com o meu. Entretanto afastei-me da blogosfera e parece que todo o mundo se especializou.

O que mais há é blogues de beleza e estilo de vida, mas muito virados para tendências e compras. Há os de culinária, todos virados para esse campo e nada mais. Há os de literatura e sempre muito aborrecidos. Todos eles parecem apostar forte na publicidade e em parcerias. O que os blogueiros parecem não ter compreendido é que os blogues melhor sucedidos não se ficam por apenas uma temática. São até bastante generalistas.

Portanto, tal como acontece com a literatura, fico-me pelos blogues em inglês ou pelo Medium ou pelos blogues que já seguia antes. Confesso que por vezes visito os blogues bem-sucedidos também. Acredito que haja por aí bons blogues que estou a perder, mas devem andar bem escondidos, que eu não os encontro.

A alternativa é isto dos blogues estar pela hora da morte. Espero que não.

Vanessa

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Ora vamos lá transformar isto num blogue de lifestyle com uma sopa de abóbora e fotos de comida

Se há coisa que nunca procurei na internet foi receitas de sopa. Para mim sopa é misturar num tacho uns legumes a gosto, com sal, água e azeite, e passá-los até ficarem puré. O truque está na quantidade de cebola e alho, e quem sabe algumas ervas aromáticas e condimentos, e em não usar cubos de caldo.

Quando chega o Outono, o que me apetece é pôr abóbora em tudo, por isso comemorei o tempo frio aqui há dias com uma sopa de abóbora. Certa vez vi o Jamie Oliver fazer uma sopa com um aspecto tão bom que jurei que um dia ia experimentar. Mas aquilo dava uma trabalheira. Era de abóbora, mas os ingredientes iam primeiro ao forno antes de irem para o tacho. Ninguém tem tempo para isso, não é verdade?

Esta sopa que fiz leva abóbora-menina, aquela não nos desloca o ombro quando a levamos para casa depois das compras, batata, cebola, bastante alho e um pimento amarelo que estava a murchar no frigorífico. Foi tudo refogado com azeite, antes de levar com um banho de água fria para cozer, e depois passado.

Servi com pevides de abóbora tostadas (mais uma vez tive preguiça de usar o forno, por isso usei uma frigideira), uma bruschetta aldrabada, com tomate, pimentos, manteiga de alho, queijo mozarela, jalapeño em conserva e óregãos (leva-se aquilo a tostar e como o forno estava muito bem quieto, usei o grill do microondas) e uns rolinhos feitos com tortilhas de trigo, presunto, queijo e folhas de espinafre, tudo tostado também.

Basta-me agora incluir umas fotos para isto ser oficialmente um blogue de lifestyle, não é?


Vanessa

Como aproveitar a Black Friday sem sair de casa

Comprar online é a melhor forma de evitar a confusão e as filas da Black Friday, que felizmente também já é moda em Portugal. Como estamos a caminho do natal, é também uma forma de adiantar presentes com os descontos típicos do dia. Hoje em dia a Black Friday não é um só dia, mas uma semana inteira.

O Book Depository já tem no site vários descontos em livros em inglês. Aqui está o link para as promoções. Os portes são gratuitos mundialmente, mas para Portugal a entrega demora cerca de um mês.

No Better World Books os descontos vão até ao dia 27 de Novembro. Para compras internacionais o desconto é de 15% na compra de cinco ou mais livros e basta usar o código BFRIDAYSALE no checkout. Aqui está o link para a página dos descontos da Black Friday. Também este site não cobra portes de envio.

A Amazon dá uma ajuda e disponibiliza uma aplicação para acompanhar as últimas promoções. Link para a aplicação aqui. As promoções para esta semana da Black Friday são variadas e estão nesta página. Atenção que a Amazon cobra portes de envio, mas pode ser que os descontos compensem.

Boas compras.

Vanessa

Os jogos da fome

Chegou aquela altura do ano. A temida altura do ano. Três palavras: comida, comida, comida. Chegou a altura do ano em que tudo o que se combina e marca na agenda tem que ver com comida directa ou indirectamente.

Lá fora está frio e quiçá chove torrencialmente. Onde quer que esteja, estou a comer. Ora se marca uma ida ao cinema (pipocas) ou uma visita a uma casa de chá (scones) ou um café (pretexto para lanchar) ou logo abertamente um almoço ou um jantar (ou quem sabe um brunch), ou uma ida a um museu perto da hora de uma das refeições (ora deixa cá ver o que há aqui pertinho para experimentar depois disto).

Eu acho que começa no Outono (castanhas) e depois o São Martinho como ponto de partida para encontros (temos de aproveitar a época das castanhas, que é tão curta) e depois uma pessoa fica viciada e não quer outra coisa. Haverá melhor passatempo que encontrar amigos e partilhar uma refeição? Eu acho que não.

Vanessa

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Avaliação Literária | A Conjura de José Eduardo Agualusa

A história e as estórias de uma colónia portuguesa, mais precisamente a velha cidade de São Paulo da Assunção de Luanda, numa época "em que todos os sonhos eram ainda possíveis". Várias personagens cruzam caminhos e vários relatos se interligaram em A Conjura. A narrativa é cativante e viciante.

No entanto, tantas eram as personagens que foi difícil acompanhá-las devidamente. Ainda assim, Agualusa é mestre em descrevê-las em mágicas palavras, conjugando termos do dialecto africano e o português.

O imaginário angolense mistura-se com uma prosa viciante, com coloquialismos que embrulham o enredo em fábulas deliciosas. A história enreda-se em tudo isto sob a forma de relatos que abrangem os anos entre 1880 e 1911, até uma tentativa frustrada de independência que termina em tragédia(s).

José Eduardo Agualusa nunca deixa a desejar, a mim pelo menos. 

8/10


Vanessa