quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Aquele em que ela se põe a reclamar

Quis o destino que ainda antes de fazer 30 anos me fosse iniciar nisso de pagar uma coisa a prestações. Ainda não tinha desfrutado da experiência. Não me aquece (coisa que dava jeito agora) nem me arrefece, mas não quis deixar de notar o marco. A quem se esteja a perguntar o que poderá ser esta coisa que está a ser paga a prestações, aviso já que não é nada altamente excitante tipo um daquelas televisões 4K ou uma viagem. É um frigorífico já que o nosso, que consta ser mais idoso que eu, resolveu reformar-se sem aviso prévio.

Como se não bastasse esta iniciação à idade adulta, foi-me oferecido o prestigiante cargo de madrinha pela segunda vez. Quem já é madrinha de uma criança pode perfeitamente ser madrinha de outra. Neste caso, um Afonso primeiro e agora uma Constança. Isto não é propriamente uma reclamação, apesar do título deste post, mas uma questão quanto à sanidade das pessoas que pensam em mim quando pensam nos seus filhos numa situação de emergência ou necessidade, que é para mim o ponto central no apadrinhamento de alguém.

Tenho esperanças de que estes pais pensem que acontecer-lhes algo é tão descabido que tenham escolhido a pessoa mais descabida no mundo para ser madrinha dos seus rebentos. Só assim posso perceber o súbito soluço mental que tiveram quando se lembraram de mim. Ou isso ou, meus amigos, o vosso futuro passa por uma instituição daquelas que forçam as pessoas a usar um casaquinho branco que vos prende os movimentos.

Entretanto uma amiga convidou-me para a sua festa de anos, aquela em que vai comemorar os seus 15 anos, 15 anos depois. A criatividade desta miúda. O convite fez-me sentir muito desmazelada porque já eu devia ter combinado qualquer coisa para a minha própria comemoração, que prefiro que seja a dos 20 anos mais 10. Acontece que os finais de semana deste mês têm sido tão cheios e a minha falta de tempo livre está a atacar-me o sistema nervoso de tal forma que quando imagino o dia dos meus anos vejo-o passado num spa. 

Não pensem que me imagino acompanhada, não. Imagino-me num spa sem mais ninguém, em completo silêncio, uma bebida e um livro. O cenário alternativo é: eu sozinha em frente ao mar com um cobertor, uma bebida e um livro, ou em frente a uma lareira, ou numa ilha deserta onde não está frio.

Normalmente tento não pensar na vida luxuosa das celebridades e muito menos na dos jogadores de futebol, mas dia 5 de Fevereiro é aquele dia em que penso no Cristiano Ronaldo, que também comemora o seu aniversário, e me pergunto o que estará ele a fazer. Depois passa-me, até porque há o Facebook para ter inveja de pessoas mais próximas de mim e do meu estatuto social. Esta semana duas conhecidas comemoraram 30 anos. Uma recebeu uma viagem a Nova Iorque, a outra uma viagem a Paris.

Estou muito contente por vocês. Juro.

Vanessa

2 comentários:

Marta Moura disse...

As viagens de oferta irritam um bocadinho! :)

Vanessa S.S. disse...

Dão uma invejazita. Da boa, claro ;)